terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Dia da madrinha 25-11


Hoje não é dia da madrinha, mas recebi um pedido de meu amigo seguidor Artur, e não pude me negar, faço isso com muito prazer. Quem desejar saber sobre algo ou alguma data comemorativa que não tenha aqui no blogger, pode deixar um recadinho em meu mural de recados e eu lhe responderei com muito alegria.

Ser MADRINHA… Esse termo tem significado legal, religioso, afetivo e social. Mas se a gente pensar numa visão mais simples, a gente entende por MADRINHA aquela pessoa que testemunha e vivencia junto os votos e a alegria da união dos casais, quando o tema é matrimônio, ou o nascimento, bênção e início da educação religiosa quando os pais da criança lhe concedem, através do batismo, a confiança de passar a representar na vida daquela pessoinha algo mais que os demais amigos e parentes.

Diante da visão da Igreja Católica podem ser padrinhos ou madrinhas de um bebê/criança: “os casais unidos pelo matrimônio da Igreja, que sigam a vida Cristã, maiores de 16 anos e/ou solterios mas igualmente aos casados, pessoas que foram batizadas, crismadas e que dão testemunho da vida cristã”.

Essas exigências são necessárias por formalidade da Insituição Religiosa, neste caso Católica. Outras religiões e filosofias podem seguir princípios diferentes, mas o que acontece de igual maneira é a intenção dos pais ao conclamar as pessoas que irão batizar seu filho, recebê-lo como filho diante de Deus, da sociedade em geral e claro, da comunidade menor da qual faz parte. Quando falamos em “padrinho”e “madrinha” ou “compadre” e “comadre” estamos especificando a pessoa que estará junto “com o pai” e “com a mãe” na criação, educação e desenvolvimento daquela criança. Não escolhemos para padrinho aquele que irá dar muitos presentes, que tem mais posses ou que proporcionará situações que os pais desaprovariam. Escolhemos pessoas com princípios e valores semelhantes aos nossos, pessoas que serão capazes de mostrar interesse, sentimento, preocupação e amor de forma verdadeira e sincera por nossos filhos, assim sendo capazes de orientar sobre as melhores escolhas, atitudes corretas e nobres, trazendo clareza e apoio diante de adversidades e/ou oportunidades no decorrer de suas vidas.

Fato: os padrinhos devem se esforçar para estar presentes. Mesmo morando longe, em outra cidade ou estado, devem manter-se em contato e tentar participar da vida do afilhado. Quem ganha? A criança, que se sente amada e valorizada e os padrinhos, que tem a chance de vivenciar as descobertas puras e genuínas da infância.

A palavra AFILHADO também deriva do significado de afiliar, TOMAR COMO FILHO, isto é, o afilhado é como se fosse seu filho. Desse modo, o padrinho e madrinha devem dedicar a ele toda sua atenção e cuidado. Daí a responsabilidade de ser padrinho ou madrinha e porque a Igreja coloca tamanhas restrições, inclusive a exigência dos cursos de formação para o batizado.

Ser mãe exige doação diária e contínua. Doação de si mesma, de amor, de tempo e de esforços desmedidos para oferecer o melhor ao seu filho. Exige que a palavra e a presença do orgulho e do egoísmo abandonem nossas casas e nosso dia-a-dia… Não se trata de ditar regras e nem repetir jargões, mas a mulher só é uma boa mãe quando enxerga os filhos e suas necessidades antes de qualquer futilidade que antes fazia presença constante ou passageira em sua vida. O amor pelos filhos tem uma dimensão tão grandiosa que tudo comparado a eles fica pequeno.

Assim… quando uma mãe escolhe padrinhos para seus filhos, há grande importância nisso…





Um comentário:

Vânia Morais :D disse...

oi mi ha flor
quero te desejar um natal magavilhoso
e um 2010 mais ainda q Deus abençoe vc e toda sua familia
bjs mil no coração

Pesquisar este blog

Carregando...